sábado, 11 de março de 2017

As casas que fumegavam

Um arquitecto que participou no Inquérito à Arquitectura Popular em Portugal em meados dos anos cinquenta (infelizmente não me lembro do nome), referiu num texto que uma das coisas que mais o marcou nessa observação foi o fenómeno das casas que fumegavam.

Sobretudo no inverno, e sobretudo no Norte de Portugal, era comum ver as casas populares rurais a libertar fumo pelas telhas, pelas janelas (por vezes simples buracos), e pelas portas. 

Num país marcado pela tuberculose, frequentemente as casas mais pobres não eram dotadas dos mais básicos sistemas de ventilação. A ausência de uma mera chaminé era vulgar e a divisão que fazia as vezes de cozinha, de sala e por vezes também de dormitório era um cubículo de paredes de pedra nua tisnadas de fuligem e fumo.

Esta fotografia de Jorge Henriques, tirada numa rua do Porto, prova-nos que as casas que fumegavam não era um exclusivo do campo.

Jorge Henriques,
Sem título,
Porto, Portugal, 1950-1971
imagem obtida aqui
___________________________________________________________

segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

Tudo diferente e tudo igual

Uns dias antes de Hitler chegar a chanceler da Alemanha desejou-se um bom ano. E houve a habitual excitação acerca dos primeiros bebés do ano.

Para esses bebés, os anos seguintes, os seus primeiros, não seriam bons anos.

Het Leven,
Os bebés do Ano Novo,
Berlim, Alemanha, 1933

imagem obtida aqui


___________________________________________________________